segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

acidade (VII). MINIRRESENHA DE CLÁUDIO RODRIGUES & ADVENTO



Ganhei esse livro do Poeta de Meia-Tigela. A cidade que se arvora e desarvora, se estrebucha, bruxuleia e se despe, toda feita de caos.
É poesia de denúncia, que mostra que as lendas urbanas não passam de lêndeas, onde corpos humanos tornam-se presuntos nas madrugadas insanas. E tudo deságua da cloaca suja de um corpo constituído de milhões de órgãos. É poesia verbivocovisual, e se expressa por ruídos, barulhos e balbúrdia, uivos e gritos. a voz calejada da urbe.

Belo e doloroso livro repleto de acidez. "Acidade" é neologismo para o que não devia ser da cidade e está nela, corrompendo-a. Fosse apenas esse "a" prefixo de negação, mas é a cidade que nega à maioria o título de cidadãos. Se zine for esse livro, pelo que tem de colagem, misturas de verbo-imagens, de desenhos, rabiscos e ranhuras (como a cidade mesma, um livro aberto), é também um "palivrório" a vociferar: "Minhas gretas e grota, meu corpo, como o Brasil, não é para fracos". Mas se é um livro que expõe a dor da cidade, também traz uma certa dose de ironia, um quê de chiste. Nada melhor do que o humor para desconcertar os discursos acostumados, desalinhar quem anda nas trilhas mesmas e é incapaz de olhar para baixo e para o lado. "somos todos vizinhos de nós mesmos", sendo vizinhos de outros, mas quem é meu outro? no espaço-rua-livro, há até uma lira que presentifica o amor de um Dirceu por Marília, mas os tempos são outros, e o Dirceu também, citadinos, não campestres, totalmente banhados de marcas urbanas.
Por favor, procurem o "Acidade". Leiam-no.

(www.facebook.com/claudio.rodrigues.75873)




Gratidão, Cláudio

----------------------------------------------

Anexo (24-11-16)

Carlos Nóbrega achou ruim o livro ser vendido a R$ 15,00 (segundo ele, "muito caro": concordei). Então distribuímos gratuitamente o acidade, inclusive para quem apenas ia passando e se interessou. Agradecimentos a quem foi. Agradecimentos especiais ao Seu Pedim e a Vlamir de Sousa e sua turma

Ateliê do Vlamir. No interior, Felipe Franklin - o Contemplativo

Na Joaquim Magalhães, 20. Dimas Carvalho, de boina e axadrezado; Antonio Cila, Bernivaldo Carneiro, Paulo Avelino, Tiago Nóbrega, Rosa Virgínia e mais gente boa

Cláudio Alves, o Menestrel, e Vlamir, o Percussor

LiLê Santos, posfaciadora de acidade

Luis Marcos e Frede Rico Régis
Com o bricoleiro Jazzbas Oliveira

O Poeta DMT
Carlos Nóbrega e O Poeta DMT


terça-feira, 15 de novembro de 2016

acidade (VI)


acidade, pp. 111-112