segunda-feira, 15 de setembro de 2014

CARIMBO III


Em 27 de março de 2014 carimbadas quatorze notas: cinco de R$ 2,00, duas de R$ 5,00, três de R$ 10,00, uma de R$ 20,00 e três de R$ 50,00, num total de R$ 220,00. Começa a Intervenção Vale-Poema: quantos dias se seguirão até que uma das tantas cédulas a serem doravante expedidas retorne à mão que as marcou?

 * Em 06 de julho de 2014 o cobrador da linha Pacajus-Fortaleza (Empresa São Benedito), ao receber a nota de dez reais assinalada, afirma “essa eu vou guardar pra mim”

5 comentários:

  1. Alguns poemas valem, garantidamente, R$ 50,00; outros apenas R$ 20,00; alguns somente R$ 10,00; outros chegam a R$ 5.00, mais uns só chegam a R$ 2,00. :-P

    ResponderExcluir
  2. ... mas o comentário do cobrador não tem preço! :-D

    ResponderExcluir
  3. ..... mas respondendo à pergunta: exatos 153 dias para que uma das cédulas volte às mãos do Poeta. Como chegar nesse resultado tão "exato"? Fácil: é uma combinação devidamente ponderada de cálculos probabilísticos, análise combinatória, tópicos avançados de processos estocásticos e uma análise da conjuntura econômica. Obviamente, o espaço aqui não é suficiente para apresentar a demonstração completa. ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MANO

      Ao verso de bom lavor
      É preciso ter apreço
      - Nenhum poema tem preço
      Mas todos têm seu valor

      *

      153... Com tanta fundamentação, devo concordar que, apesar de esse número de dias já ter transcorrido e cédula nenhuma ter retornado às minhas mãos, o cálculo só pode estar correto. O equívoco é mesmo do tempo - que insiste em ser relativo.

      Excluir
  4. por quantas mãos passou antes de chegar até ele.
    gostei do blog, abraço
    leon, o mediador da exposição dos correios

    ResponderExcluir