quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

HOMENAGEM DE SILAS FALCÃO A MÁRIO GOMES


Da página 61 do Livreto Mutirão (clicar para ampliar)

Um comentário:

  1. Alguns sacripantas, depravados ou simplesmente doidos oriundos da casta marrom que fez do Ceará uma capitania eterna e particular, usurpando postos mais estratégicos e rentáveis das iniciativas públicas ou privadas, geralmente batem a caçoleta sem que justifiquem jamais a razão de terem existido, mas são todos reverenciados com extensos necrológios e alguns até se tornam nome de rua ou viram estátua. O camoniano José Albano, por exemplo, que costumava bater bronha a céu aberto, apreciando as cocotinhas do Meireles, morreu reverenciado pelas academias e foi enterrado em Paris. Já o poeta do povo, Mário Gomes...

    ResponderExcluir