domingo, 28 de junho de 2015

EXPLICAÇÃO DO DESENHO PROPOSTO NA PÁGINA 9 E QUE SERVE DE INTRODUÇÃO À OBRA. VIDE VICO (*)


(*) Este retrato algo surreal (incluindo as “escaleras” à la Xul) 
é de autoria de NATALY PINHO (grato, Naná) e inspirou 
o soneto a seguir, incluído como abertura do livro 
Miravilha – Liriai o Campo dos Olhos



Eu-Poeta em meu Quarto leio rasgo
O que leio à luz cheia de uma lua
Que me vê mas não sabe se sou trasgo
Ou anjo asa postiça atrás da espádua

Eu-Poeta em meu Quarto leio assombro
O que leio à luz prata de uma cheia
Lua que me lê sem saber se sou escombro
Da sombra que me assombra e que se alteia

(Da sombra uma escaleira e nesta Insetos
Aos livros enrastejam se insinuam
Transformando-se em letras alfabetos
Que rerrasgo em vão: eles não recuam)

Eu-Poeta em meu Quarto me desleio
Me rasgo e me releio, me luo cheio

4 comentários:

  1. Na Cena de um Crime (ou uma segunda leitura da cena-poema)

    Os livros caídos, a marca de uma silueta no chão mostram que um crime foi cometido, tendo por testemunha apenas uma Lua Cheia. A vítima, o poeta descrente do próprio fim, continua (fantasmagoricamente, tragicamente, placidamente) sentada em uma cadeira, folheando a última leitura (inacabada). Um anjo, do qual se pode ver apenas uma asa, afinal, anjos não se mostram assim tão facilmente, nem mesmo para aqueles que pensam ver anjos nas altas nuvens, aguarda pacientemente a hora certa e pré-determinada de cumprir a sua missão. A Lua Cheia, que ilumina e gera as sombras, verdade e medo misturados, gera uma escada infinita por onde o anjo guiará o poeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A partir de sua leitura, o Soneto seguinte:

      Lua, a testemunha
      de crime perfeito:
      sequer estremunha
      - vítima e suspeito -
      o poeta-eu: lê
      como não houvesse
      morrido; o anjo o vê
      e aguarda, uma prece
      dirigindo aos céus
      (o anjo? a asa apenas,
      transcendentais penas);
      para a lua escada
      se ergue (ou para o nada?);
      eu? o morto e o réu

      Excluir
  2. Minha gratidão também, Poeta :) Com afeto.

    ResponderExcluir